fbpx
A melhor estação para fazer procedimentos estéticos chegou! Saiba mais nesse artigo especialmente feito para a série “Bem-vindo, inverno”.
Bem-vindo, inverno: melhores procedimentos dermatológicos da estação
junho 26, 2019
Principais dúvidas sobre queda de cabelo
julho 24, 2019
Exibir tudo

Principais dúvidas sobre melasma

O melasma é uma das principais dúvidas e queixas dos meus seguidores e pacientes. Por isso, está na minha série Dermato Responde.

Uma das principais queixas dermatológicas dos meus pacientes é o melasma. Trata-se de condição caracterizada por manchas escuras que surgem, principalmente, na região do rosto, em áreas como as bochechas, testa, nariz e o buço, mas que também pode surgir nos braços, pescoço, pernas e colo. Não por acaso, essa é uma das principais dúvidas dos meus seguidores e, por isso, está na minha série Dermato Responde, feita especialmente para que eu possa abordar os conteúdos mais pedidos no meu Instagram.

Confira agora mesmo a resposta das principais dúvidas sobre melasma:

Como surge essa condição?

Essa condição acontece graças a alterações hormonais, como as do período de gravidez ou do próprio anticoncepcional, ou excesso de exposição solar ou de luz visível que geram um aumento da atividade das células que produzem a melanina, conhecidas como melanócitos. Esse crescimento gera um aumento no depósito desse pigmento na pele e, consequentemente, leva ao surgimento de manchas escuras no rosto e/ou no corpo. Esses fatores são os principais gatilhos para o aparecimento do melasma, mas as pacientes que desenvolvem essas manchas possuem uma tendência genética.

Existe mais de um tipo de melasma?

Sim! Poucos pacientes sabem, mas nem todo melasma é igual. Podemos dividir essa condição dermatológica em três tipos: melasma epidérmico, melasma dérmico e melasma misto. O primeiro acomete apenas a epiderme, camada mais superficial da pele. Já o segundo atinge a derme, camada mais profunda da pele. Por último, o tipo misto é caracterizado por manchas em ambas as camadas. Justamente por essas diferenças é que cada tipo exige um tratamento diferente. Os melasmas mais profundos e os que possuem um importante componente vascular associado são os mais refratários ao tratamento.

Como tratar essa condição?

O tratamento é sempre um desafio terapêutico e depende muito da adesão do paciente ao tratamento. É importante destacar que o melasma não tem cura. Mas, tem controle e é possível clarear suas manchas.

Caso haja suspeita de que o anticoncepcional possa estar contribuindo para o melasma, será preciso traçar um tratamento conjunto entre o dermatologista e o ginecologista. O melasma muitas vezes pode surgir pela primeira vez durante a gravidez, e neste caso, o uso de filtro solar específico é muito importante neste período. A melhor estratégia é usar e abusar do filtro solar e entrar com o tratamento clareador apenas após o nascimento do bebê.

Os produtos tópicos são essenciais e podem ajudar muito no clareamento, bem como preparam a pele para os procedimentos dermatológicos. Sua dermato pode indicar dermocosméticos tópicos com ativos clareadores para serem usados em casa. É o caso dos produtos com ácido retinóico, vitamina C, ácido tranexâmico e cisteamina, ativo novo e muito falado no último Congresso Mundial de Cosmiatria para potencializar a ação clareadora. Já no consultório, gosto de realizar peelings químicos e microagulhamento. Importante destacar que, no caso das grávidas, não é possível realizar alguns tratamentos durante o período gestacional, para proteger a saúde da mãe e do bebê.

Há como prevenir o melasma?

Eu sempre digo aos meus pacientes que a prevenção é o melhor remédio. Existem diversas formas de prevenção, sendo a principal delas o uso de filtro solar com FPS 30 (no mínimo!) todos os dias, já que a luz visível presente nas telas do celular, computador e luzes de LED pioram e muito o melasma. Outras dicas são usar barreiras físicas quando a exposição solar for maior, como sempre gosto de indicar os chapéus com FPS 50 para as minhas pacientes.

Espero que tenham gostado desse artigo. Procurei responder às principais perguntas dos meus pacientes e seguidores. Caso você tenha outra dúvida, fique à vontade para entrar em contato. Obrigada pela leitura e até a próxima!

×